escritorio compartilhado

Escritório compartilhado: Conheça uma alternativa viável ao home office

O que é coworking, ou traduzindo, escritório compartilhado? Para muitos, é uma alternativa viável no teletrabalho, sendo uma opção mais em conta do que o home office.

Para esse mesmo público, é o futuro do trabalho profissional.

Segundo pesquisadores do Ipea e IBGE, o teletrabalho é possível para 22,7% das ocupações nacionais.

Dentro do Brasil, Distrito Federal é o maior, com 31,6% de potencial, e São Paulo é o segundo, com 27,7%.

Ou seja, dentro do país, há um potencial latente para o teletrabalho, se destacando o escritório compartilhado por seu ambiente profissional.

No entanto, por que sair do escritório para ir a um tipo diferente de escritório? Por que optar pelo espaço compartilhado coworking ao home office então? Veja isso agora!

O que é escritório compartilhado?

“O mundo está cada vez mais no networking e no coworking do que no trabalho individual.”

O significado de Coworking é originado do Vale do Silício, funcionando como uma estação colaborativa de trabalho, escritório virtual, sala de reuniões e salas privativas.

Por meio do compartilhamento de espaço com outros profissionais, há uma redução de custos.

Segundo pesquisas, o uso de espaço leva a uma redução de custos fixos de até 70%. Afinal, agora não é apenas você que arca com esses custos, mas todo um grupo de profissionais.

Dessa forma, seu conceito se tornou muito popular no mundo e também nos grandes centros brasileiros, havendo muitos Coworkings em São Paulo, por exemplo.

Entretanto, redução de custos é apenas um dos benefícios.

  • Possibilidade de networking com pessoas da mesma ou de diferentes profissões;
  • Boa infraestrutura e serviços;
  • Ambiente profissional em escritórios prontos.

Quem pode utilizar de um escritório compartilhado?

Segundo percentuais de probabilidade de teletrabalho, os grupos com maior possibilidade de usarem de espaço compartilhado coworking são: profissionais de ciências e intelectuais (65%), diretores e gerentes (61%) e apoio administrativo (41%).

No geral, é usado por startups, pequenas empresas, freelancers, profissionais autônomos e profissões afins. Isso as vezes gera a impressão de que coworking é usado apenas por profissionais liberais – o que não é verdade.

Por exemplo, uma ala profissional que tem tomado conta do coworking é a ala médica, se tornando mais popular o coworking médico. Além disso, há um longo tempo que tem sido popular o coworking para advogados.

Por fim, mesmo os trabalhadores de serviços, vendedores de comércio e mercado podem optar por esse modelo, apesar do baixo potencial de teletrabalho (apenas 12%).

Trabalhadores qualificados, operários e artesãos apresentam 8% de potencial.

Quais os serviços que um espaço compartilhado coworking oferece?

Como funciona o coworking? É difícil definir o que exatamente será oferecido, pois há diferentes empresas prestadoras desse serviço pelo país. Por exemplo, apenas 36% oferece uma biblioteca, 76% armários privados e 31% estacionamento próprio.

Entretanto, é possível rastrear os principais serviços que oferecem.

  • Coworking

O principal é oferecido, com espaços podendo serem alocados para equipes, grupos ou mesmo profissionais individuais. Oferece-se cadeiras ergonômicas, espaço amplo para materiais de trabalho e divisão de espaço.

Naturalmente, permite o networking.

  • Salas privativas

Caso prefira não ter o compartilhamento de espaço para si ou para sua equipe, há a opção de salas privativas. Nelas, há todas as vantagens que existem no espaço compartilhado coworking tradicional.

  • Salas de reunião

Caso momentaneamente precise agendar uma reunião com clientes, parceiros ou prestadores de serviço, você optar pelas salas de reunião.

Elas funcionam por agendamento, custando apenas o tanto usado (por hora, por dia ou por mês).

Além disso, há equipamento para realização da reunião, como máquina para slideshow.

  • Cabines de videoconferências

Caso precise de uma ligação ou videoconferência, alguns escritórios compartilhados oferecem esse serviço. Segundo pesquisa, 16% oferecem cabine telefônica para chamadas do cliente

  • Amenidades

Também há aquelas coisas pequenas, mas úteis para andamento do trabalho no coworking, como água, café, aperitivos, etc.

Segundo Coworking Brasil, 94% dos espaços oferecem café grátis, 90% impressão e 45% vendem produtos de alimentação.

Além disso, há espaços que oferecem um canto para seu cachorro (25% permitem animais) e estacionamentos variados, para carros, motos ou mesmo as bicicletas.

Em adendo a isso, 95% oferecem cozinha ou copa para seus clientes.

  • Confraternizações

Por fim, de maneira a incentivar a colaboração entre profissionais dos escritórios prontos, os coworkings realizam eventos como happy hour, lanches e cafés. Segundo Coworking Brasil, 58% realiza esse tipo de “serviço extra”.

O crescimento dos escritórios compartilhados no Brasil: qual é o panorama atual?

“Com crise ou sem crise, o coworking continua a evoluir no mercado brasileiro.”

Segundo Coworking Brasil em seu último censo, o modelo de escritório compartilhado apresentou um crescimento em 2019 de 25% em relação ao ano de 2018. Dessa forma, já alcançou 195 municípios, com apenas Roraima não tendo em nenhuma cidade.

Com isso, há atualmente cerca de 1.497 espaços conhecidos, com coworking em São Paulo alcançando o número de 663. Em segundo e terceiro, vem Rio de Janeiro e Minas Gerais, com 129 e 112, respectivamente.

Por cidade, o coworking em São Paulo também lidera, com 388 escritórios compartilhados. Em seguida, vem Rio de Janeiro e Belo Horizonte, com 106 e 64, respectivamente.

Com isso, é possível perceber que 68% dos escritórios compartilhados se encontram nas capitais, com apenas 32% sendo no interior. Além disso, 60% está localizado em bairros comerciais.

Por fim, 88% conta com um espaço multidisciplinar, apto para os mais variados segmentos de negócios. Já 4% atende à indústria criativa, 3% ao TI e Tecnologia e 5% à outras áreas.

E qual a perspectiva dos escritórios prontos?

Quanto à maturidade do negócio, 30% se encontravam passando da fase inicial de negócios, 21% sendo iniciantes e 17% considerando expansão. Inclusive, 32% já haviam iniciado expansão ou planejamento.

Enfim, por mês, há 273 pessoas circulando no escritório compartilhado, com 73% adotando um plano mensal, 14% plano por hora e 9% plano diário. Nisso, a maior parte passa um tempo médio de 6-12 meses no espaço (33%).

Coworking ou home office: qual optar no final?

O significado de home office, ou home based, é o ato de executar seu trabalho esporadicamente ou totalmente em casa. Também pode ser parcial ou totalmente feito no ambiente residencial.

Possui seus defensores, principalmente após a quarentena, onde 70% das empresas que se viram forçadas a adotar o modelo, pretendem mantê-lo. Desse grupo, os segmentos que pretendem adotar são os de serviços (89%), indústria (79%) e comércio (73%).

Entretanto, há certos pontos negativos na experiência de home office:

  • A falta de ambiente profissional minimamente adequado em casa;
  • Dificuldades na adaptação do profissional ao cenário de distanciamento social;
  • Problemas na separação entre vida profissional e pessoal;
  • Riscos de fadiga mental do funcionário, que pode levar à ocorrência de Síndrome de Burnout.

Nesse cenário, o coworking é uma alternativa coerente para o profissional individual: proporciona o ambiente profissional sem excluir o fator social, separa o trabalho do pessoal e atende melhor as questões de Segurança e Medicina do Trabalho.

Além disso, apresenta benefícios para pequenas, médias e grandes empresas, além de freelancers e autônomos!

Vantagens para pequenas e médias empresas

  • Senso coletivo: um espaço compartilhado é essencial para colaboração de ideias e criação de networking;
    • Redução de custos: uma pequena e média empresa precisa cortar gastos para se manter – e redução de custos é como funciona o escritório compartilhado!;
  • Menos burocracia: esse é um mal para qualquer empresa, mas especificamente mais complicado para PMEs. Entretanto, o espaço de coworking simplifica os processos de obtenção de espaço.

Vantagens para grandes empresas

  • Inovação: o maior risco de empresas tradicionais é a estagnação dos negócios, o que pode levar à falência. Entretanto, a interação com diferentes profissionais faz parte do processo de inovação pela quebra de velhas ideias;
  • Trabalho remoto: é a oportunidade de corte de gastos com equipamentos para trabalho na sede da empresa. Você pode enviar seu empregado para um escritório compartilhado ou mesmo contar com um funcionário de outra cidade ou estado!;
  • Expansão: você pode expandir seu negócio para outros locais, bastando apenas alocar sua equipe externa para um escritório compartilhado.

Vantagens para freelancers e autônomos

  • Separação: no ambiente profissional do escritório compartilhado, há melhor separação da rotina profissional e da rotina pessoal do que em casa;
  • Criatividade e produtividade: nesse espaço, você tem a oportunidade de trocar ideias com outros profissionais e, ao mesmo tempo, não perder o foco, pois todos estão trabalhando;
  • Sociabilidade: por fim, elimina-se um dos principais problemas do home office, a perda de interação social. Afinal, você agora divide espaço com outras pessoas, sem necessariamente estar num escritório tradicional.

Dicas para seu aluguel de escritório compartilhado: como fazer um bom trabalho?

Como começar a lidar com o aluguel de escritório compartilhado?

Apesar da positividade do significado de coworking, um trabalho otimizado nesse tipo de espaço depende da sua atividade e das suas escolhas.

Afinal, há diversos tipos de coworking pelo país.

Então para começar bem o trabalho de coworking, pense nos seguintes aspectos.

  • Estrutura e custo-benefício

Considere seu trabalho na hora de checar as vantagens do aluguel de escritório compartilhado. O local é acessível? Oferece boa estrutura para execução do trabalho? O plano escolhido oferece bom custo-benefício?

Nessa hora, é necessário definir se busca apenas um espaço formal para reuniões ou uma estrutura completa que abarque até mesmo eventos quando necessário.

  • Planeje seus gastos

Para começar, os gastos com internet e telefone, que podem ser obtidos no escritório compartilhado.

Alguns espaços de coworking oferecem pacotes de ligações ilimitadas para seu celular, então verifique o quanto há de sua necessidade nisso.

Outro ponto é o uso de tempo no escritório compartilhado: você precisa usar por algumas horas, por dias ou por 1 mês?

Planeje bem seu uso de tempo, de forma a não ter gastos desnecessários no aluguel.

  • Use do potencial de networking

Por fim, aproveite o melhor que o coworking pode oferecer: o Networking.

A confluência de interações e ideias nesse espaço é intensa, com você podendo colaborar com profissionais da sua área ou de outras áreas também.

Então aqui vale o ponto decisivo que torna o escritório compartilhado uma alternativa viável ao home office: há contato social ao seu redor que agrega em suas habilidades profissionais.

Ao invés do solitário trabalho, opte pelo coletivo criativo!

 

teletrabalho

Teletrabalho: Trabalhar em casa ou em um espaço coworking?

Popular entre autônomos e freelancers, o teletrabalho se trata do trabalho feito fora do escritório, podendo ser em casa ou qualquer outro ambiente.

É considerado pelo corte de custo que proporciona e pelo aumento de rendimento do funcionário.

Segundo a Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades, 70% das empresas privadas no Brasil já adotavam teletrabalho em 2017.

Com a chegada do Coronavírus em 2020, essa realidade se firmou ainda mais.

Só até abril, 59 países já haviam aderido ao contrato de teletrabalho, com a Confederação Nacional do Comércio estimando que tenha crescido em 30%. No entanto, como fazer o teletrabalho?

Prossiga com a leitura e entenda melhor sobre o contrato de teletrabalho e como ele é aplicável aqui no Brasil!

O que é teletrabalho?

“Daqui para a frente, a oferta dessa alternativa será um fator para reter talentos dentro das companhias.

O que é teletrabalho? Segundo a Organização Internacional do Trabalho, ele é “a forma de trabalho realizada em lugar distante do escritório e/ou centro de produção”.

Também “permite separação física e implica no uso de tecnologia facilitadora da comunicação.”

Traduzindo, é um trabalho não-presencial que utiliza da tecnologia para exercício remoto da atividade.

Ela já vinha sendo adotada por empresas antes do período de pandemia, principalmente por seus pontos positivos:

  • Para empresa, menos gastos com custos operacionais. Por exemplo, a empresa American Express relatou economia anual de US$ 10-15 milhões;
  • Para o funcionário, é mais produtivo (segundo SurePayroll, 86% dos entrevistados acreditam alcançar o máximo da produtividade sozinhos).

Além disso, segundo relatório da ConnectSolutions, cerca de 30% dos entrevistados relataram realizar mais em menos tempo. Já 24% relata realizar mais no mesmo tempo.

Quais são os tipos de teletrabalho?

Os diferentes tipos de teletrabalho podem ser divididos em 4 quanto à localização do trabalho. Eles são:

  • Em Home Office: trabalho realizado em casa, que pode ser feito para um empregador ou mais (caso do freelancer). Além disso, pode ser parcialmente ou totalmente feito em casa;
  • Em Coworking: trabalho realizado em local descentralizado da sede principal da empresa ou em um ambiente providenciado pela mesma, junto ou não de outra empresa;
  • De maneira Nômade: trabalho realizado em qualquer lugar, de um automóvel ou mesmo de outro país;
  • Em Equipes transnacionais: prática conjunta com equipes multidisciplinares e/ou internacionais na resolução de problemas corporativos ou objetivos específicos.

Teletrabalho e home office são a mesma coisa?

Essa é uma dúvida comum de funcionários, mas que facilmente é respondida: teletrabalho e home office não são a mesma coisa.

Para começar, teletrabalho é a prestação de serviço feita à distância, ou seja, fora do ambiente de trabalho tradicional.

Dessa forma, é um termo geral, que pode ser executado como home office, em coworking ou mesmo fora do país.

Enquanto isso, home office é feito exclusivamente em residência, podendo ser esporádico ou contínuo.

Além disso, o trabalho home office pode ser executado sem vínculo empregatício, como no caso do freelancer.

O que é teletrabalho na CLT?

O que é teletrabalho na CLT? Este já estava previsto na legislação antes da Reforma Trabalhista, mais especificamente no artigo 6, em parágrafo único.

No texto, é equiparado “aos meios pessoais e diretos de comando, controle e supervisão do trabalho alheio”.

Assim, diferente de um freelancer, o teletrabalhador possui vínculo empregatício com a companhia, obedecendo às mesmas regras de quem trabalha na sede.

 

Dessa forma, também lhe é garantido os mesmos direitos, como:

  • Registro em Carteira de Trabalho;
  • Férias;
  • 13º Salário;
  • Recolhimento do FGTS;
  • Fornecimento de vale-transporte (para quando ser necessário ele se deslocar);
  • Auxílio-doença;
  • Remuneração compatível com função;
  • Outros benefícios do cargo.

Entretanto, o que é teletrabalho na CLT se solidificou com a chegada da Reforma Trabalhista.

O que a lei Nº 13.467/2017 (Reforma Trabalhista) muda no contrato de teletrabalho?

Com a Reforma Trabalhista, teletrabalho passou a ser definitivamente regulamentado segundo os artigos 75-A até 75-E.

As principais mudanças que acarreta para o contrato de teletrabalho são:

  • Teletrabalho não necessita mais ser exercido integralmente fora da sede da empresa. Se for preponderante o trabalho fora do escritório, continua sendo encarado como regime de teletrabalho;
  • É imprescindível que seja expresso no contrato de trabalho a prestação de serviços no formato de teletrabalho. Caso ocorra alteração do modelo presencial para a distância, deve haver aceitação do empregado.

Agora se for o contrário, a decisão é feita de maneira unilateral pelo empregador, contanto que garanta período mínimo de 15 dias para transição;

  • É definido que aquisição, manutenção e fornecimento de equipamento e infraestrutura para prestação de trabalho será prevista no contrato escrito. Também deve ser previsto reembolso por despesas arcadas pelo empregado;
  • Empregador deve garantir todos os EPIs e equipamentos ergonômicos necessários. Apesar do empregado assinar um termo de responsabilidade, se mantém a responsabilidade da empresa num acidente de trabalho.

Por fim, a reforma trabalhista no teletrabalho exclui a necessidade de controle de jornada. Entretanto, esse é um ponto ainda em discussão.

  • E o que muda com a MP do teletrabalho (Medida Provisória Nº 927/2020)?

Com a ocorrência da Pandemia, o governo federal elaborou mudanças temporárias nas relações de trabalho com a MP do teletrabalho.

Por exemplo, empregador pode alterar atividade para teletrabalho em contrato individual.

Entretanto, deve atender a um prazo de 2 dias corridos de antecedência para notificação ao empregado. Além disso, é possibilitada a adoção de teletrabalho para estagiários e aprendizes.

É necessário apontar que essa e outras mudanças nas relações de trabalhos devem ser discutidas em acordos individuais e coletivos.

Por fim, esse e outros pontos da MP do teletrabalho ainda se encontram em discussão.

Como fazer teletrabalho: coworking ou home office?

“O teletrabalho é uma flexibilização do trabalho tradicional – flexibiliza seu horário, flexibiliza seu contrato e, principalmente, flexibiliza seu local de trabalho!”

Com a popularidade, e até mesmo regulamentação, do teletrabalho, começou a ser questionado qual era o melhor modelo de trabalho: home office ou coworking.

Como dito antes, home office é o trabalho executado em casa de maneira esporádica.

Já o home based é o trabalho executado exclusivamente em casa, com a empresa fornecendo material de escritório ao funcionário.

Já o coworking se baseia na ideia de reunir vários profissionais num mesmo local, fomentando o intercâmbio de informações e cultura.

Nesse caso, nem precisa ser da mesma profissão.

Quais são os pontos de cada um?

O que é home office na prática?

Com a chegada da quarentena, muitas empresas foram forçadas a adotar o home office como tipo de teletrabalho.

Entretanto, segundo pesquisa da Talenses com Fundação Dom Cabral, 70% dos que adotaram esperam continuar no modelo parcial ou integralmente.

Agora segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, 30% das empresas devem adotar o modelo após pandemia. E por que as empresas passaram a gostar da ideia?

  • Não há necessidade de deslocamento;
  • Menor custo operacional para a empresa;
  • Mais conforto e menos estresse ao trabalho;
  • Horário mais flexível;
  • Maior produtividade.

No entanto, o que pesa contra o trabalho home office?

  • Possibilidade do excesso de trabalho, de maior pressão por resultados e de menores períodos de intervalos;
  • Apesar do horário ser mais flexível, acaba sendo bastante relatado uma perda do ócio, ou seja, menos momentos de descanso e lazer;
  • Possibilidade maior de acarretar em Síndrome de Burnout, uma fadiga mental que leva à perda de desempenho e possíveis doenças laborais mentais.

O que é Coworking na prática?

O espaço de coworking é um ambiente pensado para o trabalho autônomo ou empresarial de maneira mais livre.

Em 2019, apresentou crescimento de 25% em relação a 2018, chegando então na marca de 1.497 espaços conhecidos. 

Desse mercado, 88% conta com espaço multidisciplinar, o que possibilita confluência de ideias.

Diferente do trabalho home office, o networking e o trânsito de ideias entre diferentes profissionais é parte do que é Coworking. Além disso, ele de certa forma atenua as problemáticas do home office.

Como o Coworking é efetivo?

  • Atende as questões relacionadas à Segurança e Medicina do Trabalho, pois os empregadores podem fiscalizar e ajustar;
  • Mantém uma normalidade de rotina presencial pelo compartilhamento de espaço com outros profissionais;
  • Promove real divisão entre espaço de trabalho e espaço pessoal, não levando à perda de ócio relatada no home office;
  • Aprimora a produtividade, pois o espaço profissional do coworking é voltado para todos se focarem no trabalho.
  • Permite um momento de descanso (segundo Coworking Brasil, 87% dos coworkings contam com espaço para convivência).

Nesse cenário, os pontos negativos acabam sendo deslocamento e preço.

O primeiro pode ser remediado ao contratar o coworking mais próximo de sua casa.

Já o outro deve levar em conta o custo-benefício: o ambiente de coworking é melhor do que o de casa.

Benefícios do Coworking para o teletrabalho

Como fazer teletrabalho pelo Coworking é benéfico?

Além dos fatores que o colocam acima do home office (ou home based) tradicional, há outros benefícios diretos de adotar o coworking na rotina:

  • Prazo: 64% dos coworkers se mostram mais aptos a terminar tarefas no prazo;
  • Relações: 91% apresenta melhor capacidade de interação com profissionais;
  • Foco: 68% apresenta melhora do foco;
  • Criatividade: 71% confirma que apresentou aumento de criatividade no escritório compartilhado;
  • Maior ganho: 50% afirma ter ganhos maiores no trabalho;
  • Motivação: 82% demonstra um aumento de motivação.

Obs: todos os dados são da Coworking Brasil.

Trabalho em casa ou em espaço coworking?

No final, ambas as opções são bastante procuradas antes e durante a pandemia – assim como serão buscadas depois.

A maior questão aqui é sua adaptação aos modos de como fazer teletrabalho.

Afinal, é uma nova forma de pensar a sua atividade, se adequando à modernidade que a tecnologia trouxe.

De certa forma, o teletrabalho veio para ficar e o empregado deve ter a melhor situação possível no seu “novo trabalho”.

 

O que é Coworking

 

Você sabe o que é coworking? Se você acha que ele é apenas um espaço de trabalho compartilhado por vários profissionais, então, talvez, não tenha entendido o conceito por trás desses estabelecimentos.

De fato, um coworking é muito mais do que isso.

Estamos falando de empresas que ofertam um espaço com toda a infraestrutura necessária para que outras empresas e profissionais desenvolvam seus negócios em um espaço com menos custos.

Não à toa, uma pesquisa, feita no Brasil pela agência NFK, registrou um crescimento de 500% desse tipo de negócio.

Quer saber mais detalhes sobre os coworkings? Então, não deixe de continuar a leitura desse artigo!

O conceito de coworking: o que são os escritórios compartilhados?

Conforme já mencionamos, o conceito de coworking diz respeito a um espaço de trabalho que conta com tudo que um escritório convencional tem, sendo seu diferencial o fato de ser compartilhado.

Sim, a possibilidade de trabalhar lado a lado com outros profissionais é um dos grandes diferenciais desses espaços.

Isso porque, desse modo, profissionais e empresas têm a oportunidade de criarem networks, além de colaborarem entre si e formarem possíveis parcerias de negócio.

Em outras palavras, podemos dizer que os escritórios compartilhados não são apenas locais de trabalho, mas uma nova cultura, que vem para reformular o modo de trabalho fora das grandes corporações.

Além disso, Milena Alves, CEO da DUXCoworkers, ressalta a relevância que os escritórios compartilhados têm em nosso contexto, diante das novas tendências e configurações assumidas pelo mercado de trabalho.

Mas, afinal, como e por que surgiram os coworkings? Respondemos a essas perguntas no próximo tópico. Confira!

Como e por que surgiram os coworkings?

O conceito de escritório compartilhado surgiu nos Estados Unidos, em São Francisco.

A ideia de coworking foi pensada pela primeira vez pelo engenheiro de software americano Bred Neuberg, como uma alternativa ao home office.

Embora também seja uma nova e interessante forma de trabalho, Neuberg via que o home office ainda não era adequado para o desenvolvimento pleno de atividades profissionais (voltaremos a esse ponto mais à frente).

Então, o americano imaginou um espaço compartilhado, onde profissionais de diversas áreas pudessem trabalhar de maneira mais dinâmica e produtiva, dispondo de toda a infraestrutura de um escritório convencional.

Com essa ideia em mente, Neuberg e alguns sócios inauguraram a primeira estação de trabalho compartilhada da história no início do ano de 2005.

No ano seguinte, Nova York também ganhava seu primeiro escritório compartilhado.

Em 2009, apenas 4 anos após a criação do primeiro coworking, já era realizado o primeiro evento mundial específico sobre o assunto, o Global Coworking Unconference Conference (GCUC).

Onze anos depois desse evento, vemos que o coworking é, hoje, uma realidade já consolidada. Falaremos mais detalhes no tópico a seguir!

Coworking: o crescimento dessa tendência no Brasil e no mundo

Coworking no mundo

Atualmente, de acordo com o Global Coworking Map, existem cerca de 10 mil escritórios compartilhados em todo o mundo.

E a tendência é que o mercado cresça, mesmo em épocas de crise.

Para que se tenha uma ideia, os EUA registram crescimento de 47% desse mercado, todos os anos.

Podemos ilustrar melhor o otimismo em torno desse mercado citando o caso da empresa WeWork, a quinta startup mais valiosa do mundo.

Embora seja uma empresa com apenas uma década de existência, ela tem presença em 23 países e 97 cidades, contando com cerca de 5 mil funcionários.

Coworking no Brasil

O caso brasileiro não é diferente. De acordo com informações da Coworking Brasil, o número de escritórios compartilhados cresceu em torno de 25%.

Ainda segundo essa agência, atualmente, há quase 1500 unidades de escritórios compartilhados em todo o território nacional. Em 2015, eram apenas 238.

No Brasil, esse mercado apresenta números maiores do que a média mundial. De fato, se de 2016 a 2019 o crescimento dos coworkings no mundo foi de 200%, no brasil este foi de 500%.

Os benefícios do coworking que justificam o crescimento dessa tendência

Os números que justificamos no tópico anterior se devem, também, às vantagens que profissionais e empresas podem ter com esse tipo de serviço.

A seguir, veja, quais são elas.

Diminuindo custos

Ao optar por um coworking, profissionais e empresas não precisam gastar dinheiro com o aluguel de salas comerciais, despesas fixas, mobiliários, equipamentos e facilities.

Endereço fiscal/comercial

Os coworkings podem ser usados como o endereço comercial de uma empresa ou profissional.

Dessa forma, é possível receber correspondências, clientes, parceiros e até ligações telefônicas.

Ao adotar o coworking como endereço fiscal, o empreendedor pode utilizá-lo para fazer o seu CNPJ.

Localização central

Geralmente, os coworkings ficam localizados em áreas centrais dos grandes centros urbanos, sendo uma ótima opção para empresas e profissionais que desejam ficar mais acessíveis a seus clientes.

Criação de networking

Um coworking também é um excelente local para criar laços e parcerias, as quais podem gerar bons negócios.

Por seu um espaço que concentra profissionais com várias especialidades, esse também é um local de troca de ideias e cooperação.

Facilities oferecidas em um coworking

Além de todas essas vantagens, um bom coworking oferece uma ótima relação custo-benefício, haja vista os vários serviços disponibilizados nesse tipo de estabelecimento.

Você não somente poderá usufruir de um endereço fiscal/comercial e de toda a estrutura de um escritório a qualquer hora do dia e da noite, como, também, pode usar os seguintes serviços:

Mas, afinal, por que o coworking é uma alternativa ao home office?

Você se lembra que dissemos que o coworking foi criado como uma alternativa ao home office? Pois bem, agora, vamos explicar o porquê disso.

Embora seja uma tendência para o mercado de trabalho daqui para frente, o home office pode prejudicar a produtividade de diversas formas.

De fato, os profissionais que atuam nessa modalidade de trabalho enfrentam os seguintes problemas:

  • Misturar lazer e trabalho;
  • Preocupação com questões domésticas;
  • Interrupção do trabalho por familiares. 

Além disso, o profissional que trabalha em casa diminui a sua possibilidade de construir novas redes de contato.

Isso sem contar que informar o endereço residencial em cartões e outros materiais não passa nenhuma credibilidade aos clientes, certo?

Ao contrário, com o uso do coworking, você não somente poderá ter privacidade e mais foco nos negócios, como, ainda, fazer um bom networking e contar com um endereço comercial para divulgar para seus clientes.

Quando trocar o home office pelo coworking?

Essa é uma dúvida de muitos empreendedores e profissionais freelancers e liberais.

Contudo, existem alguns fatores que podem nortear essa decisão. Veja alguns deles abaixo.

Negócio em expansão

Se, agora, sua empresa ou escritório precisa de uma equipe, a estrutura também terá que ser revista.

Mas, mesmo que você opte por aumentar sua casa para isso, pense bem! Se você não quiser misturar relações pessoais e profissionais, essa não é a melhor opção.

Fora os gastos com a reforma, é claro.

Reuniões

Como fazer reuniões com parceiros comerciais e clientes com a devida privacidade e seriedade em casa? Difícil, certo?

Se você precisa ter encontros profissionais, então, é mais recomendável optar alugar uma sala de reunião num coworking.

Sala de Reuniões

Coworking: uma boa ideia para enfrentar a crise

Além de todas as vantagens que já apontamos, o coworking surge como uma alternativa eficaz para empresas e profissionais que desejam superar a crise e seguirem firmes.

De fato, trabalhar em escritórios compartilhados permite que as empresas diminuam gastos sem reduzir a qualidade e o tamanho da estrutura do negócio.

Ao optar por esse serviço, é possível eliminar despesas com aluguel de salas e despesas de manutenção dos espaços.

Ademais, os profissionais e empresas que optam pelos escritórios compartilhados pagam somente pelo que utilizam, o que se traduz em um excelente custo-benefício.

Coworking também é para grandes empresas!

E quem pensa que esse serviço é indicado somente para empresas de menor porte e autônomos está muito enganado!

A seguir, indicamos algumas vantagens do coworking para grandes empresas. Veja!

Atração de talentos

Empresas que oferecem espaços de trabalho flexíveis, confortáveis e inovadores tendem a atrair os melhores profissionais. Essas características atrativas podem ser encontradas em um coworking.

Estímulo à inovação

Em um coworking, as equipes podem interagir com outros profissionais, procurando novas formas de lidar com problemas e desafios.

Facilita a expansão

Para empresas, pode ser muito mais vantajoso utilizar escritórios compartilhados como novas unidades de trabalho fora de sua área de atuação.

Ademais, os prejuízos são reduzidos caso a empresa não tenha conseguido os resultados esperados.

Coworking: o melhor espaço para construir o seu network

Nesse início de século XXI, a busca por inovação é uma constante dos profissionais e empresas de sucesso.

Para isso, nada melhor do que trabalhar em um espaço que é um convite à troca de ideias e à cooperação, não é verdade?

E, com certeza, o coworking é uma forma de fazer e consolidar seu networking.

Nele, pode-se trabalhar cercado por vários profissionais com habilidades e competências diversas e empresas dos mais variados segmentos.

Como escolher o coworking certo para o seu negócio?

Contudo, nem todos os escritórios compartilhados são iguais. Por isso, é importante escolher um que atenda às demandas do seu negócio.

Mas como fazer essa escolha da maneira certa? Abaixo, indicamos alguns importantes critérios que você deve levar em consideração antes de tomar essa decisão.

  • Considere qual o coworking tem tudo que a sua empresa precisa;
  • Encontre um coworking que tenha a “cara” do seu público-alvo;
  • Confira se a infraestrutura é confortável e se os serviços são eficientes;
  • Escolha um coworking em uma localização estratégica para seu negócio;
  • Confira os pacotes oferecidos e os diferenciais do coworking;
  • Pergunte a outros usuários o que eles acham da qualidade da internet.

O que é coworking? Seria o futuro do mercado de trabalho?

Sim, o mundo do trabalho já não é o mesmo.

A tecnologia trouxe muito mais flexibilidade e possibilidades, exigindo de profissionais e empresas mais criatividade e busca por inovação.

Nesse contexto, nada melhor do que optar pelo coworking, haja vista que esses espaços favorecem a troca de ideias e a criação de networking.

Ademais, é uma forma de reduzir custos e melhorar o desempenho no trabalho.

E você, já pensou em utilizar um escritório compartilhado como endereço de trabalho? O que acha dessa ideia?

Esperamos também que sua dúvida sobre o que é coworking tenha sido sanada. 🙂